"La Corneille Noire, é onde eu conto minha vidinha pacata de andanças, estudos, passeios e prazeres por Paris."

domingo, 13 de março de 2011

Sobre a semana de 6 a 13 de março


Essa semana foi super correria, além das aulas de grámatica tinhamos fonética a tarde e o Fischão e meu irmão para dar atenção. Acabou que todos os estudos ficaram atrasados, e o blog acabou empoeirando, mas estamos voltando a tona e contando os detalhes.
Na segunda foi dia de Foundie aqui em casa, nós 6 com muitos pãezinhos deliciosos, vinho e sorvete. A Paula e o Fischão conheceram nossa casinha fofa, e graças a Deus a Alberta não deu as caras (aliás até achei que ela tinha morrido, até agora a pouco, droga).
Na terça fomos encontrá-los no hotel e caminhamos no canal St. Martin, até acharmos um restô bem mignon às margens do canal. Comemos uma assiette de queijos e depois comi um prato delicioso, escalope de veau, coberto com beringela, molho de tomate e mussarela de bufala (d-e-l-i-c-i-o-s-a) acompanhada de uma massa fresca com molhinho vermelho e jambon, nossa foi insano! E super french, só uma garçonete fazendo tudo, tadinha.
Na quarta nos desencontramos na Lafayette, e acabamos só nos despedinho. Na quinta tive prova de gramática e tirei 19,25 / 20. Me senti bem sendo a melhor nota da classe, até poderia mudar de nivel, mas amo a profa. continuo aprendendo e gosto de ser boa aluna. Também tive minha maratona tititi já contada no post anterior.
Sexta, comemos doritos com soeur cream (um genérico muito parecido: crème fraîche) e ficamos enfim sós, conversando em francês sobre nossas provas, aulas e últimos aprendizados. A noitinha fomos num bar canadense em odéon, experimentamos poutine et 1684 blanc bière. Encontramos as amigas da Ana da puc, Jana, Aline e Mafê (que estava de férias por aqui) tivemos umas conversas bem sex and the city, mas foi muito engraçado!
Sábado: fa-xi-na. Hahaha, e mais duas horas pra se arrumar e conseguir sair de casa. Fui encontra a Adélia na Batille e passeamos pelo Marais, fomos a casa do Victor Hugo, que gostei, mais pelo fato que gosto de decoração do que outra coisa, gostei de como as pessoas usavam estampas nas paredes combinando com as cortinas, o teto forrado e o carpete no chão, meio sufocante mas eu gosto. E a Adélia tem esse nome pela Adéle Hugo, uma das cinco filhas. O passeio foi gostoso, mas a casa é meio fantasiosa de mais de acreditar... e nenhum moleskine dele com rabiscos, desenhos, nada, meio frustrante. Quero ler algo do Hugo em francês, será?!
Continuamos a caminhada até encontrar uns músicos judeus, de meia idade, muito bons tocando musica tradicionais judaicas mas com arranjos deles, muito bom, no meio da praça um violão celo, um violão, um acordeon e algum metal desses que não sei o nome e um chapéu. Só no marais... ai fomos tomar um chocolat chaud que a Adélia gosta por ali, num lugarzinho bem típico até cliché de tão francês, com umas estantes de livros, e frequentado por franceses bem franceses. Nos despedimos a noitinha e voltei pra casa.
Domingo tem previsão de chuva e de estudos com cineminha no final da tarde, mas amanhã eu conto.

2 comentários:

  1. A Alberta não conheceu o Fischão ???
    Que lástima.
    :-))

    ResponderExcluir
  2. quero esse chocolate quente francês bem bem bem francês!

    ResponderExcluir